A Pessoa Mais Sozinha do Mundo

baixe o disco

  • YouTube
Spotify_Logo_RGB_Black.png
1200px-Apple_logo_black.svg.png

gravar as bases de 10 faixas em 10 dias, ir tocando até encontrar o arranjo de cada música, sem nenhuma ideia pré-concebida. essa foi a proposta e o processo deste disco. a única referência de sonoridade era o êxodo, o primeiro disco do chamberlainduartefidelis.

todas as músicas são de autoria de EDU MARIN

as letras de pleno agosto, everything is broken e o açucar da sua voz                       
são poemas de FABRÍCIO CORSALETTI

tocado e produzido por chamberlainduartefidelis

chamberlainduartefidelis é
DU MOREIRA baixo e rhodes
RO FONSECA guitarras, loop station e violão de aço
RICARDO MOSCA bateria (ricardo mosca toca com pratos Bosphorus)

gravado, mixado e masterizado por RICARDO MOSCA no ESTÚDIO DO MOSCA
gravações das bases em dezembro de 2010 e fevereiro de 2011
gravações das vozes por RO FONSECA em fevereiro e março de 2011 na BATICUM
técnicos de gravação (vozes) BRUNO PONTALTI e RAFAEL SILVESTRINI

1. A Pessoa Mais Sozinha do Mundo

a pessoa mais sozinha do mundo
olha para o céu e chora
a pessoa mais sozinha do mundo
olha para o céu e chove
confete azul
olha pro salão lotado
enxerga o seu querer ao longe
escuta o surdo seco marcando o compasso
sente a multidão que treme
passa procissão de carros
ouve só o andar daquele mar de gente
esquece o fato de pensar ser diferente
lembra o quanto dói querer demais do mundo
escuta a própria voz cantando inconseqüente
esquece de achar não estar ainda preparado e cai
na doce sensação de ser ninguém

2. O AÇUCAR DA SUA VOZ

a partir do poema “Poesia e Realidade” de Fabrício Corsaletti
 

o açúcar da sua voz
não sairá dos meus ossos –

minha vida será triste
perderei meus amigos

venderei minha família
por um copo de cachaça

vagarei pela cidade
pedindo esmola e perdão

esquecerei minha infância
não lembrarei o meu nome

morrerei como indigente
não serei reconhecido

meu corpo cheio de escaras
será jogado no mar –

o açúcar da tua voz não
sairá dos meus ossos

3. EVERYTHING IS BROKEN

a partir do poema homônimo de Fabrício Corsaletti
 

a rua está quebrada
minhas botas

estão quebradas
minha voz

está quebrada
meu pensamento

está quebrado
as portas

estão quebradas
o despertador está quebrado

a noite está quebrada
a manhã

será quebrada –

há uma pessoa no mundo
que não está quebrada
e eu estou ao seu lado
como se não estivesse quebrado –

a alegria está quebrada
o cansaço está quebrado
tudo está quebrado

4. Paredes brancas

ter que sufocar
ter que esquecer
ter que entender que o que foi ontem
já não é a vida mais
ter que imaginar uma maneira de poder dormir novamente
teu gesto já não está
teu cheiro se foi com o vento
não sobrou palavra doce pra poder reconfortar
todos os silêncios se abafaram
e o que é memória triste
não serve de alento

paredes brancas pra contar
toda a história do nosso apartamento
toda vez que cê não chegar
é outro quarto que fecha por dentro

5. Itatiaia

tatiaia deve ser lindo de manhã
ver o céu pela janela do teu quarto
naquela casa que eu nunca fui
naquela cama que eu nunca sonhei
ter a vida mais completa do universo
ser o homem mais completo do universo
ser a pessoa mais completa do universo

6. Pleno agosto

a partir do poema homônimo de Fabrício Corsaletti

meus óculos de sol
a minha cara de lua

– tem gente que tem uma mascara
tem gente que tem duas

minha vó usava blush
por cima da verruga

eu tive uma namorada
que tirava a roupa
e não ficava nua

o bigode cresce
ao contrario da peruca

minha amiga Beth Vargas
só gosta de carne crua

a poesia impede a vida
de virar literatura

o mal nasce com a pessoa
ou se aprende na rua

o mal nasce com a pessoa
a bondade custa

– meus óculos de sol guardados
e a minha cara de chuva

7. Bem-Vindo

um homem no mar
sozinho no mar
nada, nada, nada, nada, nada, nada, nada, nada, nada, nada, nada
uma onda gigante
um navio gigante
uma névoa branca, branda
descansa
o mar, um deserto
o mar deserto
o horizonte uma linha circundante
nada, nada, nada, nada, nada, nada, nada, nada, nada, nada, nada
percebe então num instante
que o mar e o deserto estão dentro dele
fecha os olhos
flutua
não precisa mais nadar

8. cachorro

vinham três ali
passaram perto mas não viram
duas, três horas e nada
passou um de bicicleta fechou os olhos com aflição
no ruído da avenida atordoado
um cachorro atropelado
agonizava pelo chão

quatro suspiros curtos
e um mendigo cobriu
pra que a cidade não tivesse que enxergar
naquele corpo abandonado
uma parte de si

passo ao longe
ao lado azul
de onde vem o som dos carros

9. quando essa dor passar

quando essa dor passar
já vai ser de manhã
toda sombra já sumiu
e o que era breu dissipou
molhei meu rosto
e tudo que era tristeza e voce
foi na água fresca da manhã

mas como é estranho saber
que a cada novo amanhecer
quanto mais longe estiver
mais intenso será
e que a memória do coração
e igual a memória da água
do gelo
e do trovão

quero lembrar de voce
pra poder te esquecer

10. fui chorar

Fui chorar minhas lágrimas negras pra você
Que pensei
Não sei
Que talvez por questão de humanidade
Ou por exaustão
Pudesse me entender
Mas não
Lambeu meu rosto
Me pôs deitado
Mais uma vez me fez ficar parado
Assistindo meu leite a escorrer
Que idéia idiota correr pra você
Que já sei não importa
O que quer que eu faça
O que eu grite
O que eu tenha a dizer
Sempre me faz esquecer